Sistemas de Acabamento

Sistemas de Acabamento

Por Alexandre Gilberti*

Acabamento gráfico

Acabamento gráfico é o processo de finalização de um produto, são os procedimentos aplicados depois da impressão.

Através das técnicas de acabamento é possível transformar um simples impresso em um material sofisticado.

As mais comuns são:

  1. Laminação
  2. Corte e Vinco
  3. Hot Stamp
  4. Verniz Localizado
  5. Relevo
  6. Refile

Laminação

Laminação

A laminação é o processo de “encapar” o impresso com uma camada fina e transparente de material plástico, dando ao material impresso maior durabilidade, resistência e um aspecto tátil e visual agradável.

Os resultados são mais delicados, homogêneos e resistentes do que a simples plastificação. Depois que aplicada, a camada plástica não pode mais ser removida.

Tipos de Laminação

  • Laminação Fosca;
  • Laminação Brilho;
  • Laminação Soft Touch (dá um aspecto tátil macio ao material)

Corte e Vinco

Corte e vinco

O corte é o acabamento gráfico feito para moldar papéis conforme a necessidade, criando formatos personalizados como caixas e embalagens. Para isso são usados metais pré-moldados, chamados de “facas”, ou equipamentos a laser.

As gráficas costumam contar com facas de moldes comuns. Estes saem mais baratos pois podem ser reutilizados para vários clientes, no entanto, é possível desenvolver um corte exclusivo, onde as facas serão montadas desde o início, o que aumenta o custo do projeto. Já o procedimento de corte a laser não precisa de um objeto pré-moldado.

O vinco é um tipo de acabamento gráfico utilizado para demarcar as dobras em uma peça, as marcações servem como linhas-guia para que os papéis possam ser dobrados. Um exemplo são os folders e convites que podem ser divididos em partes que abrem e fecham, imitando um livro.

O vinco também pode ser serrilhado, permitindo que uma parte da peça gráfica seja destacada, como no caso de ingressos para eventos.

Sem os vincos, as dobras irão desgastar o impresso.

Tanto no corte como no vinco são utilizados dois principais elementos: a matriz, que é o chamado faca e a própria máquina de corte e vinco: uma série de lâminas fixadas em um suporte. Estas lâminas são afiadas nos locais onde haverá o corte e sem afiação onde deverão fazer os vincos no material.

Verniz Localizado

Verniz Localizado

O verniz localizado é um tipo de acabamento utilizado em elementos específicos de materiais impressos, dando destaque brilhante e tátil ao detalhe escolhido. Para que o verniz localizado seja aplicado, é necessária a montagem de uma máscara de verniz, para indicar o local que receberá o acabamento.

O verniz localizado pode ser aplicado em textos, fotos ou qualquer outro objeto presente. É muito comum nos mais variados tipos de impresso como cartões de visita, cardápios, convites e livros.

Hot Stamp

Hot Stamping

O hot stamping é muito parecido com o verniz localizado, a diferença é que no hot stamping, como o nome já diz, a transferência da estampa é feita através de calor.

O hot stamp consiste em um tipo de laminação feita com a compressão de uma folha metalizada por uma chapa quente, depois de seca, a folha se desprende deixando uma cobertura de leve protuberância sobre o objeto gráfico que foi marcado.

Para esse procedimento, a utilização de papel simples não funciona, já que a temperatura aplicada durante a impressão demanda uma superfície que resista ao calor.

O resultado são detalhes, normalmente dourados ou prateados, que imitam fielmente o efeito do próprio metal, inclusive o reflexo.

Relevo

Relevo Seco

Outro tipo de acabamento gráfico que torna a peça sensível ao toque é o relevo. Ele pode ser alto ou profundo, o que significa que o papel será “marcado” com saliências para cima ou para baixo, dando uma espécie de textura ao papel.

Muito utilizado para marcar logotipos em capas de couro, por exemplo.
Porém, o relevo deve ser feito em papéis com gramatura maior que 180g, que suportam a pressão da marcação.

Refile

Refile Linear

Ao contrário do corte especial, o refile é o corte reto feito em materiais em formatos quadrados ou retangulares, essencial para qualquer projeto, pois retira as sobras na borda e garante um tamanho proporcional para todas as peças. É normalmente realizado com uma guilhotina ou refiladora e usado para garantir que todas as peças de um mesmo lote tenham as mesmas proporções.

“Como escolher o melhor processo/sistema para o meu caso”

Antes de elaborar um projeto gráfico, é importante pensar nos sistemas de impressão considerando os tipos de papel e materiais que suporta, as cores e acabamentos que podem ser incluídos no projeto. Sempre haverá um sistema que se enquadrará melhor para cada necessidade.

Considerações a serem feitas:

  • Em que material eu quero trabalhar
  • Como vai ser o processo de impressão? Como ele funciona? Toma quanto tempo?
  • Efeito visual desejado, ( “old school”; “profissional”; “simples”)
  • Custo

Alexandre Gilberti

Alexandre Gilberti

Gerente Industrial da Fedrigoni Brasil Papéis. É graduado em Engenharia Industrial Mecânica pela UNIMEP, com especialização em Celulose e Papel pela Mackenzie e MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV.